Uma vida diferente

 

Nesta apreciação crítica terei como objeto o livro O Centauro No Jardim de Moacyr Scliar. Esta obra conta trata a história de um rapaz chamado Guedali, que nasceu no Rio Grande do Sul, no Brasil, mas com um grande problema físico.

Neste livro é contada toda a sua história de vida, desde o seu nascimento até um futuro distante, em que ele já é adulto. Durante a sua vida, ele passa por variadíssimas peripécias, como entrar para o circo, fugir de casa e fazer várias viagens. Sem dúvida, o seu maior oponente, em todos os sentidos, é o destino, pois para além de o ter posto na situação em que ele está, também lhe dificulta até as tarefas mais simples, como passear.

Na minha opinião, este livro trata muito bem do assunto em que se quer focar, o racismo e os problemas a que as pessoas estão sujeitas. É um texto com uma linguagem um pouco diferente, já que é de um autor brasileiro, mas não foi um problema. Ao ler todo o livro, tive uma enorme satisfação ao saber como termina a história, fazendo valer a pena cada minuto gasto na sua leitura.

Concluindo, dou a este livro uma classificação de 5 estrelas (no total de 5) e o título de “Uma vida diferente” à minha apreciação crítica. Recomendo esta obra a todos os que apreciem um livro que trate de diferenças sociais e preconceito, pois realmente vale a pena lê-lo.  

 

Guilherme António - 11.º CTA

 

----------------------------------------------------------

 

Apreciação crítica da obra O Centauro no Jardim

 

Com o decorrer da leitura completa do livro O Centauro no Jardim, de Moacyr Scliar, são despertadas diversas emoções e sentimentos no leitor.

A obra, na sua maioria, recorre a elementos do imaginário, fazendo, assim, com que se torne numa história um pouco atribulada. Ao longo da leitura desta obra, deparamo-nos com dois centauros descontentes com a sua condição física, estando estes dispostos a tudo para alterar esta condição de nascença.

Tita conhece Guedali (personagem principal) e estes, sendo ambos centauros, partem juntos para Marrocos para fazerem a mudança das suas vidas.

Tita é, na minha opinião, uma mulher/centauro calma e pouco emotiva, ou seja, o oposto de toda a ação central (operação de ambos os centauros). Esta mulher teve uma infância com reduzidas peripécias; contudo, com o decorrer de toda a ação este facto irá mudar à medida que se torna mais velha e madura.

Em suma, Tita é a maior oponente a todo o desenvolvimento da ação central (operação), o que torna o livro mais dinâmico e apelativo.

 

Inês Pais dos Santos – 11.º CTA

 

Orientação da docente Fernanda Pereira