Os meus sonhos

 

1.    Joana Silva

 

   Os meus sonhos… Que tópico tão interessante… Se sonhamos muito, somos demasiado sonhadores, não temos noção da realidade. Mas se sonhamos pouco, somos uns tristes, sem aspirações. Eu tenho vários sonhos… Todos muito diferentes. Mas se eles não se concretizarem, acho que não ficarei muito triste. Eu gosto de deixar que a vida simplesmente aconteça, pois tudo acontece por uma razão. Tudo tem um lado positivo e um lado negativo. E ainda bem. Se todas as coisas fossem boas, não lhes saberíamos dar o devido valor.

   Hoje vou escrever sobre um sonho que é… Diferente. Não é apenas algo que eu gostaria de fazer, mas sim o que eu quero que a minha vida seja. Eu quero ser advogada. Eu já quis ser imensas coisas, mas desta vez, eu sinto que é mesmo isto que eu quero. Portanto, vou lutar para o ser. Quero fazer justiça e defender pessoas. Desde pequena que eu adoro argumentar… É simplesmente uma das minhas paixões. Seja em discussões, em aulas, em casa… Sempre que posso, eu argumento. Por isso, vou-me esforçar para fazer isso profissionalmente, sendo advogada. Irei sempre trabalhar para isso, e se realmente o conseguir… Espero ser a melhor advogada possível!

   Para concluir, apenas quero deixar um recado: Sonhem, mas sonhem imenso, pois sonhar faz bem! Faz-vos ser felizes! Por isso, se alguma vez vos disserem que são demasiado sonhadores, digam: Ao menos eu sou feliz, e para mim, a felicidade é uma dádiva! Por isso, aproveitem-na!

   

                                                                                                               

                                                                                                                                                 

2. Inês Dias Caldeira Bargão Rodrigues                                                                                                                                          

Nos meus sonhos… Os meus sonhos são todos muito diferentes. Tenho sonhos bons e sonhos maus. Não gosto nada de falar dos meus sonhos, são muito pessoais e de falar dos meus sonhos maus ainda gosto menos. Estou sempre a pensar: “E se eu não tiver sucesso na minha vida profissional? E se os meus amigos deixarem de gostar de mim?” Essas são algumas das questões que me assustam mesmo muito.

Depois temos o Triatlo, a grande paixão da minha vida. Não consigo descrever muito bem como é estar lá. As pessoas pensam que é só uma atividade de tempos livres mas não, ocupa-me a vida toda e eu adoro isso!

Agora as viagens. Sim, eu já viajei por muitos sítios: Espanha, França, Itália, Alemanha, República Dominicana, Tunísia,… Claro que quero viajar pelo resto do mundo mas, quero fazê-lo com outro objetivo: as provas de Triatlo. Eu vejo os meus treinadores que viajaram pelo mundo fora a fazer provas e eu também quero! O meu pai já me falou dos atletas de alto rendimento e, agora, é mesmo isso que eu quero.

Por fim, vou falar do meu último sonho. É ter uma família muito grande e alegre. Os meus pais tiveram duas filhas: eu e a minha irmã Sofia. Eu também quero continuar a constituir uma família grande que tenha muito amor e saúde.

 

 

3.  Leonor Brites

 

Um sonho que eu sempre tive é viajar pelo mundo. Ver as suas maravilhas, pois o mundo tem muito mais para nos oferecer do que nós pensamos. Sempre sonhei em poder ver a Torre Eiffel em Paris, em ver o coliseu em Roma, as incríveis praias no Havai, as sete maravilhas do mundo…

Já pude ter a experiência de ir a Londres e a Espanha, por isso, imagino o que será a experiência de viajar por cada canto do mundo.

Eu sei que isto poderá ser um sonho difícil de realizar, pois além de vontade e disposição, este sonho é muito dispendioso e iria levar muito tempo para o realizar.

Mas eu acredito que um dia irei conseguir realizar este sonho aventureiro, pois nunca podemos desistir de qualquer desejo ou intenção que tenhamos. Se ainda dermos mais “força” a um sonho, poderemos ter ainda mais probabilidades de o realizar. Espero que o mundo esteja à minha espera, porque estou à espera dele há muito tempo!

 

                                                          

Sob orientação da professora de Português Ana teresa Santos